quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Parem o Mundo que eu quero sair

Quando é que o Mundo se tornou este sítio em que polícias obrigam uma mulher a despir-se na praia, em frente da própria família e as pessoas à volta batem palmas? De certeza que ainda somos a espécie mais inteligente? E consciente? E tolerante? Ou podemos pôr isso tudo de lado em prol de:

  •  (preencher com o que quer que dê jeito vender à carneirada).

9 comentários:

  1. Mesmo... infelizmente.
    Muito, muito triste.
    Já me questionava acerca da estupidez de proibir o burquini (afinal há tanta gente que se enfia na água vestida... qual a diferença?), e agora isto... completamente absurdo!
    Mundo triste este. E os franceses estão cada vez mais irracionais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os franceses perderam a noção de "Liberté, égalité, fraternité".

      Eliminar
  2. A multa que os polícias lhe passaram dizia que 'she was not wearing “an outfit respecting good morals and secularism”.' Que respeite a moral e o secularismo? Mas que merda é esta? Isto soa demasiado semelhante ao discurso dos estados islâmicos que penalizam as mulheres por não usarem burka ou véu completo. Ironia. Ou talvez não. Se há coisa que atravessa séculos e culturas é a mania do poder instituído tentar controlar o que as mulheres vestem ou deixam de vestir. Não pensei foi que um estado na Europa do séc. XXI o voltasse a fazer de forma tão descarada. O que está a acontecer na França é uma violação flagrante da liberdade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dizes bem, uma violação flagrante da liberdade em defesa da liberdade, da moral e dos bons costumes. Oh the irony. Mas chocou-me igualmente que as pessoas à volta batessem palmas. Já espero uma certa estupidificação de quem defende o poder, mas já as pessoas, pá.

      Eliminar
  3. E os amigos no facebook que também batem palmas? Eu era mais feliz quando desconhecia certas opiniões.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma mulher indefesa é um bode expiatório tão confortante.

      Eliminar

Digo eu de que: