quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

All I want for Christmas

Várias pessoas este ano me confessaram que não queriam passar o Natal com a família alargada porque ia implicar comprar presentes. Passamos o ano a reclamar da falta de dinheiro (e tempo) para fazermos as coisas que gostamos, para depois derretermos ambos nesta espiral diabólica do Natal. Basta passar à porta de um shopping para ver a prisão social em que todos nos colocamos anualmente.

Sinto, em várias situações e em várias áreas, que as pessoas estão desejosas de mudança. Mas depois nada muda. O que é que falta?

7 comentários:

  1. Não percebo. Eu adoro comprar presentes de Natal para oferecer, mas isso na minha cabeça só faz sentido se for por gosto, nunca por obrigação. E se algum dia deixar de ter possibilidades económicas de o fazer, que raio de família é essa que não vai compreender? Deixar de passar o Natal juntos não me parece de todo a solução.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Podes sempre não levar, mas e depois só receber e não ter nada para oferecer?

      Eliminar
    2. É a minha família, não são os colegas de trabalho. Se não houver aí confiança e à vontade para entender e apoiar uma situação dessas, não sei onde haverá.

      Eliminar
  2. Falta a coragem para acabar com estas coisas forçadas, relacionamentos que se sustentam na base das aparências e no "parecer bem". Acaba-se por se dar prenda a esta e aquela pessoa só porque se quer evitar aquela sensação desagradável de "este ano não te comprei nada nem penso comprar mais". Porque a pessoa até nos dá e fica mal não darmos de volta. É um ciclo vicioso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim. Mas eu até posso gostar de alguém, ter dinheiro e não ter paciência para ir à procura de prenda. Porque é que só é amor se comprarmos alguma coisa?

      Eliminar
  3. Coragem para não comprar nada? Ou paciência para comprar algo interessante e barato? Vontade para fazer qq coisa e oferecer?
    Se calhar passa por deixar de haver obrigações sociais e fazer-se as coisas por vontade ou não fazer de todo.
    Há consumismo desenfreado? sim, há. É uma parvoíce. Mas também só cai quem quer... (eu adoro o Natal, gosto de oferecer presentes e adora ter uma casa e uma família enorme para ter um Natal cheio de confusão :) )

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu gosto de oferecer presentes, mas acho que isso pode ser feito em qualquer altura do ano, quando vejo alguma coisa que me lembra alguém. Mas posso gostar muito dos meus pais e não me apetecer enfiar num shopping uma tarde inteira para procurar alguma coisa para oferecer. Esse acto de procurar e normalmente contrariada (porque não me apetece estar ali) é que me parece contra natura.

      Eliminar

Digo eu de que: